Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de março de 2017


Foi assim... O sol se punha na foz do rio Potengi e a lua era testemunha... O vento soprava delicado e eu observava os pescadores, seus barcos e as dezenas de olhares sobre vocês... Tudo estava perfeito e um turbilhão de imagens ocupavam minha mente... Qual momento deixei passar? Em que ocasião você começou caminhar sozinho? A que horas você deitou em sua cama como criança e ergueu-se um homem? Eu não tive tempo de tanta coisa... Então caminhei ao seu lado, como a minha promessa materializada! Esse foi o meu segundo maior momento com você e ainda ouvia minha canção preferida! O sol se punha na foz do rio Potengi e o sentimento que me invadia era o de gratidão ao Eterno, pois o seu sonho era meu também! Tomada por uma forte emoção revivi minha trajetória de vida quando saí das minhas raízes em busca de conhecimento acreditando que um dia voltaria, e então as margens do “rio que brilha” e nos variados matizes do verde das minhas matas, imaginei que você cresceria e constituiria uma família... Não voltei! Você nasceu e cresceu à beira mar, mas constituiu uma família às margens de um rio, não o “rio que brilha”, mas o Potengi, o rio que deu origem a linda Cidade do Sol. A medida que o sol se punha era envolvida por um encantamento e uma alegria reservada somente aos mortais, como nós, sem contudo deixar de sorver cada palavra vinda do altar, pois naquele momento entregava o meu “tesouro”, a minha “joia rara”, o meu “bem”, o “amor da minha vida”, a “minha semente” à também, uma joia rara e preciosa que encantou meu coração. Desejei que esse momento fosse paralisado, mas o Eterno permitiu que fosse gravado pela máquina mais sensível, o meu coração e ainda me surpreendeu com as doces águas das margens do Potengi e a linda lua que iluminava esse momento, lembrando-me que ainda hoje Ele faz afagos na alma humana pelo simples prazer de nos ver sorrir! Depois de muitos meses desse momento, o vento daqui da minha varanda sopra sobre mim como um abraço dizendo: Eu lhe visitei, mulher. Você é bem aventurada! Queridos, só quem tem o prazer e alegria de dividir o que tem de melhor, de mais precioso, consegue somar na caminhada! Já é madrugada e envio-lhes o meu abraço no mais completo silêncio em que só os nossos corações compreenderão as palavras jamais proferidas, mas sentidas em nossas almas. E foi assim, as margens do Potengi que o Mestre da alma humana, prazerosamente afagou a minha alma, conduzindo-me aos matizes do descanso, fé, esperança, alegria e amor!


sábado, 19 de novembro de 2016


Já é madrugada na cidade do rio que brilha... O silêncio é ouvido interrompido vez por outra, pelas batidas de um coração que desliza ao encontro dos lagos e igarapés... No rio que brilha as braçadas são de esperanças diariamente renovadas pela força de suas águas. No rio que brilha o acalento chega com os paneiros de pescados, pois a simplicidade é o que faz a alegria e o contentamento habitarem em completa harmonia nas ruas por onde passa. Já é madrugada e a saudade conversa com a partida e fazem uma aliança para a eternidade de sempre se encontrarem, não importando se na cheia ou vazante, se na foz ou quando suas águas se encontram sem se misturarem, pois o que conta mesmo é correrem se olhando, respeitando e amando! Nesse silêncio da despedida, estar distante sempre será a agonia pelo retorno de novamente andar pelas águas que brilham e encantam... Já é madrugada e todo minuto é apreciado, eternizado pela lente mais sensível do corpo humano, o coração. E assim a vida segue afirmando que o tempo é hoje, a felicidade é agora, a oportunidade é o momento sempre presente, a dor é passado, a perda é porta para a ressignificação, pois seres de possibilidades acreditam sempre em renovos. Esse rio é minha rua, é o afago mais esperado pela alma, é o sorriso largo, é identidade do ser, é açaí, tacacá, cupuaçu, bacuri, vatapá, charutinho bem fritinho, é farinha, é pimenta de cheiro, maniçoba, é pôr do sol, é lua cheia, é a Pérola do Tapajós! Sintam-se todos acarinhados por mim daqui das minhas paragens, a Santarém do meu amor.

sábado, 6 de agosto de 2016


Hoje amanheci pensando em como o ser humano muitas vezes prefere caminhar nas trevas do egoísta ao invés de decidir-se trilhar na luz do altruísmo. Não estou me referindo ao altruísmo como propaganda do bem realizado. Reflito sobre o altruísmo como realização espontânea de almas desejosas pelo bem de todos, pelo bem comum! Só existe amor se o sentimento que nos impulsiona em qualquer área dessa nossa vida, for o altruísmo para com o outro, não importando as diferenças que nos separem. Ao sermos egoístas nossa alma vai sendo corroída, ela adoece e a esperança deixa-nos e então enfraquecemos. Convido-lhe a renovar-se através do altruísmo e toda a ressignificação que há por trás dessa atitude e verdadeiramente vivas. Acredite, assim como amar é uma decisão volitiva, o altruísmo também! Sabe, refaça o caminho de sua origem, reavalie suas escolhas, pondere sobre as “verdades” dos que lhe cercam, seja juiz de suas decisões, não transfira as consequências e nem impute ao outro o resultado negativo das mesmas. Seja senhor de sua caminhada, de sua história, como humano que és. Quando nos damos às mãos os elos se fortalecem e as chances de sobrevivência dos embates diários aumentam. Cuidado com o egoísmo e seus “detalhezinhos”, eles podem lhe enfraquecer a visão não lhe deixando ver a singularidade dos que ocupam um espaço insubstituível em seus planos pessoais e coletivos. Claro que sei que a solidariedade está rara e a gentileza cada dia mais obsoleta entre nós, mas se houver altruísmos nossas atitudes serão de sabedoria e encorajadoras para que nossos hábitos egoístas não sejam aperfeiçoados diariamente. Bom, eu sei que estás querendo saber qual o lugar do Eterno em tudo isso!? Querido, o Eterno aguarda por nossas decisões volitivas, atitudes de humanos como eu e você, pois a Ele cabe à atuação no sobrenatural, afinal nos deu o livre arbítrio! Acredite: a cidadania terrena precede a cidadania celestial (para os que creem), portanto viva honrosamente sua passagem por aqui! Que sua alma seja um ecossistema altruísta, afinal ainda não estás em corpo glorificado! Envolvo você em um abraço bem abraçado daqui da cidade do sol e ele está repleto de altruísmo por dias melhores!


terça-feira, 26 de julho de 2016


Hoje retorno emergindo dos pensamentos que alimentam a esperança. Retorno de um caminho ladeado pela persistência de sempre olhar para frente. Por vezes olhamos, mas não vemos, esboçamos sorrisos sem significados, apalpamos sem identificar o toque, dormimos um sono que não é reparador e então acreditamos que desistir é a melhor saída do caminho. Acreditar que o tempo sempre está no presente eterniza as memórias não importando as épocas em que aconteceram. Emergir sempre será a atitude mais acertada! Sabe querido, é em meio às labaredas das nossas lutas, dores e solidão que a Força da existência nos fortalece e assim emergimos para continuarmos a labuta de humanos, como eu e você. Parece as vezes que está havendo um “complô” para tornar a caminhada dura, mas aí a esperança levanta a sua bandeira e nos conduz aos vales verdejantes, afinal a Graça emergiu da morte para que eu e você pudéssemos sorrir mesmo que o céu esteja cinzento, mesmo que o “porto” para o nosso descanso esteja distante, mesmo que o “mar” encontre-se bravio, mesmo que os astros empalideçam, mesmo que o diálogo esteja incompreendido e nossas lembranças não caminhem junto com a memória de vida, mesmo que os papeis por vezes se confundam, mesmo... Convido-lhe a emergir diariamente, não importando quantas vezes forem necessários, pois a ressisgnificação sempre estará pronta a andar de mãos dadas conosco. Seja acarinhado por mim daqui de terras potiguares.

domingo, 27 de março de 2016


Então Ele chegou, um amor tão lindo e livre pra mim... tão lindo em todos os sentidos. Um Amor que não posso deixar escapar. Então me apaixonei por toda a minha existência! Não há um dia em que não sinta Seu olhar e o carinho quando me envolves em Seus braços. Como sol de verão e a brisa das noites enluaradas, é assim que me sinto quando me tocas: me sinto em Paz! Você é o meu Amor de todos os momentos, de todos os caminhos, de todas as minhas dores, dos meus melhores sorrisos, das minhas noites de reflexão, das minhas madrugadas de arrependimentos...  Você é o meu amor dos recomeços, das misericórdias, da compreensão ao outro e de mim mesma, do perdão, mesmo quando é difícil se colocar no lugar do outro. Você é o bálsamo das minhas dores e das feridas que teimam em sangrar. Você é o meu conforto diante de minhas perdas, partidas e chegadas, dos “pedaços” que fui deixando ao longo desse caminhar. Você é o meu melhor sorriso, o meu melhor desejo, o meu melhor dormir, a minha única Esperança na rota dessa caminhada humana! Você é o meu rio perene, igarapé de suspiros felizes, meu primeiro e último pensamento... Foi na eternidade que começou esse sentimento que não maltrata, não julga, não exige, é livre! Um Amor tão lindo assim não posso deixar escapar pra longe... És meu maior encanto que faz meu corpo vibrar quando sempre estamos juntos. Você é minha Páscoa! Você é o meu sim ao amor e à vida, é o investimento fraterno que jamais posso abandonar, afinal És um Amor tão lindo e livre assim, que não posso jamais deixar escapar, pois seria o mesmo que viver sem vida...seria a morte e esse Amor já vivenciou literalmente, o morrer pra estar comigo! Abraço todos daqui da linda Cidade do Sol nesse domingo de Páscoa, sem qualquer pressa de soltá-los com beijos bem dados e estalados, com “sabor” de sua preferência e cheiro de colônia que exale o aroma de lavanda!

 

sábado, 27 de fevereiro de 2016

E então voltei.... Só volta aquele que um dia esteve em algum lugar! Só volta aquele que a saudade se deixou ser fotografada pela máquina mais precisa, o coração humano. Voltar é considerar uma nova oportunidade, mesmo que furtiva de estar naquele momento sonhado. Voltar é se deparar com paragens adormecidas... Adormecidas como forma de eternizá-las para o próximo instante, como se a caminhada tivesse sido congelada para então ser retomada em algum trecho. Voltar sempre será a surpresa de uma alma em desenvolvimento, em aprendizado. Voltar não deve ser entendido como sofrimento, mas como a forma mais simples de trilhar o caminho da resiliência, reservada aos mortais, como eu e você. Voltar não é dor, não é desespero, não é angústia. Voltar é estar diante de possibilidades! Às vezes precisamos de algumas “voltas” para entender que nunca partimos, apenas nos ausentamos. Assim voltei sem nunca ter partido, apenas me ausentado! Quantas vezes partimos achando que tudo será resolvido, esquecido, mudado... ledo engano! Nessa tarde aqui em terras potiguares e com um ventinho gostoso soprando aqui da minha varanda, lhe estimulo a voltar sempre que se fizer necessário, para que sua vida não seja companheira de “lacunas”! “Lacunas”, acredito que são oportunidades desperdiçadas ao longo de nossa existência, são orgulhos manifestados, dores estimuladas e cultivadas, e tudo que dificulta o crescimento humano. “Lacunas” necessitam serem preenchidas para evitar que a alma adoeça tornando a minha e a sua vida, um deserto de queixumes e dores. Pois é, eu sei o quanto “voltar” é difícil, mas esse é o caminho que nos leva aos pés da Cruz! Então voltei....

sábado, 16 de janeiro de 2016


Como não se surpreender ao ser surpreendido? Em muitos momentos olhamos surpresos para o futuro que se descortina a nossa frente, da mesma forma que somos surpreendidos pela coragem de enfrentar nossos temores, ressignificando o passado de uma caminhada. Penso que surpreender não significa fazer melhor que os outros, mas acima, superior daquilo que eu e você, acreditávamos ser o nosso limite! Surpreender eleva os batimentos cardíacos, deixa a boca seca, as mãos trêmulas... Surpreender é música que acalenta o momento do “nem sei o que dizer”, é olhar sem acreditar no que se está ou estará vivendo, é suar frio e rir desconcertantemente, é andar de um lado para o outro, quando na verdade a vontade é correr alegremente... Surpreender é viagem benéfica para a emoção humana, é porto seguro para momentos de insegurança, quando o outro imagina está remando sozinho. Surpreender é está entre a promessa de algo e o milagre da sua realização! Nessa noite abafada aqui na linda Natal, lhe convido a se deixar ser surpreendido e usufruir das deliciosas experiências de viver o impossível de acontecer, mas que lhe surpreendeu numa medida inexplicável...  Fico imaginando quando Jesus surpreendeu Pedro com seu terno olhar, após ele o haver negado! Portanto, se permita ser surpreendido e então descobrirás que promessa e milagre percorrem a mesma estrada com o objetivo de alegrar nossa existência! Receba meu abraço em total surpresa, sem qualquer pressa de soltá-lo